Histórico
 26/02/2006 a 04/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
Pensando e Refletindo
 

Sou Cristão, Protestante e convicto de minha fé. Contudo não acredito em atitudes intolerância contra o Islã. Devemos condenar a violência e não a cultura muçulmana. Creio que a verdade é Cristo, e a verdade virá pela pregação da Palavra de Deus. Agimos assim com os Judeus há séculos, por que não com seus irmãos Ismaelitas?

Não devemos, nem podemos ser tolerantes com a violência, nem com os radicais que hoje dominam a cena principal do Islã. Mas temos permitido intolerância dirigida a todo muçulmano, povo em geral humilde e piedoso. Analisarmos o que vemos hoje sem conhecer o verdadeiro islamismo do passado pode induzir conclusões desastrosas para o futuro da humanidade.

O islã hoje é um reflexo da 3° lei de Newton: toda ação tem uma reação contrária e de mesma intensidade. Isto é, anos e anos o ocidente, protegido pela cruz, em nome de nosso Deus e de nosso Cristo, matou, roubou, destruiu, profanou e blasfemou contra o povo muçulmano. Agora, que nossa cultura encontra-se imunda, nossa religião é mundana e nossa fé é duvidosa, o povo do Corão vê a chance de se por de pé após anos de humilhação. Pela violência agimos contra eles; com violência agirão para conosco. Queremos levar a Palavra de Deus com fuzis e bombas, semeando a fome e a miséria, negando aos islâmicos as bençãos da ciência e da tecnologia que o Senhor tem dispensado ao ocidente. Queremos vender ocidentalismo superfaturado e comprar o pouco que eles têm a preço vil.

O anticristo não virá do berço muçulmano, como imaginam muitos. Nascerá em lar cristão, crescerá entre nós, nos nutrirá com suas mentiras e apostasias, e nós, com nossa fé secularizada, só o veremos pela misericórdia de Deus.

 



Escrito por Sena Pereira às 22h44
[ ] [ envie esta mensagem ]



Cristiane

Se andei por lindos campos? Sim, pelos campos do Senhor eu andei, e encontrei a mais bela flor.
Se encontrei a mais bela flor? Sim, a encontrei, nos lindos campos do Senhor.
Afaguei-a e aspirei o seu perfume. Apaixonei-me. Quis colhê-la. Não, disse o Senhor. Eu a plantei para você e Eu o fiz andar pelos meus campos. Enquanto merecer ela será tua, enquanto andar pelos Meus campos.
Ama aquele que semeia? Não. Nem aquele que colhe. Ama aquele que cuida, dia-a-dia, da mais bela flor dos lindos campos do Senhor.



Escrito por Sena Pereira às 01h06
[ ] [ envie esta mensagem ]



Desafio da igreja pós-moderna

Acredito que o problema não esteja no modelo a ser adotado. Ilusão acharmos que estamos criando algo. Seja qual for o modelo, Deus abeçoará enquanto fizermos a Sua obra.
O que estamos enfrentando nesses tempos de igreja pós-igreja (???) é o dilema de que, enquanto igreja (e nós somos a igreja), queremos o mundo, de preferencia dentro da igreja. Nossa fé é científica, nossa adoração é tecnológica e nosso ritual é mecânico.

O desafio da igreja na pós-modernidade é dar o que a ciência e a tecnologia não poderão dar: amor profundo em meio a superficialidade individualista; simplicidade espiritual num mundo complexamente materialista; fertilidade salutar psico-emocional em vez de esterilidade doentia e raionalista.

Precisamos mudar o que sentimos, para mudar o que pensamos, a fim de mudar o que estamos fazendo.



Escrito por Sena Pereira às 00h25
[ ] [ envie esta mensagem ]



O povo Palestino deu provas de sua inquietação e indignação com os governantes que se mantiveram no lugar de Arafat. O grande lider Palestino cometeu o mesmo erro de muitos que vieram antes dele: não preparou substituto. Descontente, ignorante, desinformado, desesperado, o povo optou pelo radicalismo: o Hamas. A noção da populaça é que o Hamas promoverá mudanças rápidas. Não, o Hamas gerará violência, destruição e morte. Assim como na parábola de Jotão (vide livro de Juízes no Antigo Testamento) as pessoas preferiram o espinheiro. Principalmente por que não haviam oliveiras, videiras ou figueiras. Infelizmente para o sofrido povo Palestino, a vontade de andar rápido para frente será muitos passos para trás.

Escrito por Sena Pereira às 17h55
[ ] [ envie esta mensagem ]



Mais uma do Manoel Manhães: dinossauros não louvam, Baby. A Baby do Brasil (ex-Consuelo), assim como a maioria dos novos convertidos, principalmente de igrejas neopetencostais (onde o componente carismático é bem mais exaltad e buscado do que o doutrinário), contribuem com algumas pérolas da falta de sabedoria. Não digo que esteja certa ou errada, contudo o falar (quando, onde, como e para quem) deve seguir as recomendações dos Apóstolos no Novo Testamento. Quem não vigia a lingua, torna-se (e torna os outros também) refém de suas palavras.

Escrito por Sena Pereira às 17h44
[ ] [ envie esta mensagem ]



Pelo direito de blasfemar. Pode soar estranho, mas é estranho. Foi assim que o colunista da Veja colocou seu ponto de vista esta semana. O André Petry é um ateu convícto. Mas pior que isso, ele é terminantemente contra qualquer tipo de demonstração espiritual. Qualquer religião ou seita é um motivo para que ele destile seu veneno. Tem um ódio especial pelos cristãos, é claro. Logo, além de ateu, é um fundamentalista ateu, capaz de fazer xiita parecer Franciscano. Desprovidos de quaisquer dos códigos morais, éticos, doutrinários ou dogmáticos, impostos por uma fé verdadeira, capaz de limitar a ação dos mais inferiores dos instintos animais, os fundamentalistas ateus ficam a mercê de seus prazeres individualistas e de sua soberba ególatra. A justiça, o amor, o direito são meras palavras, usadas conforme a necessidade de satisfação própria. O poder, o dinheiro, a luxúria são seus deuses. Enfim, ler André Petry toda semana é um anátema.

Escrito por Sena Pereira às 23h25
[ ] [ envie esta mensagem ]



Temos um presidente que é do Partido dos Trabalhadores, mas os juros do Brasil são os mais altos do mundo. Os bancos apresentam lucros em cima de lucros. Parece haver uma contradição maligna no governo brasileiro: a esquerda proletariada governa para os donos do capital e não para a força de trabalho que o elegeu. Pena que a populaça nunca perceberá isso. Caminhamos a passos largos e céleres para mais um resultado equivocado nas urnas.

Escrito por Sena Pereira às 13h16
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]